Rui Unas – O dia em que a Televisão morreu


A televisão morreu hoje. Estamos em Abril de 2015, Rui Unas tem largas centenas de milhares de seguidores em diversas plataformas online e anuncia, em directo no Periscope, a morte da televisão.

ruiunas

Curiosamente, o anúncio é feito a partir dos estúdios da RTP, minutos antes de Unas entrar em directo como convidado no 5 para a meia-noite. Enquanto os espectadores do canal de televisão do estado não desconfiam de nada, cerca de 20 pessoas ligadas a uma nova app no iPhone, percebem que nada será como antes - #atelevisãomorreuhoje.

Se alguém está qualificado para falar sobre o estado de saúde da televisão, é o seu auto-proclamado Lord. Para saber mais sobre a forma como Rui Unas vê o papel da internet no mundo do entretenimento e na sua carreira, fiz-lhe algumas perguntas. Poucas horas depois, tinha as respostas no meu email.

videoMas antes, um pouco de história

Há 14 anos, Rui Unas apresentava o Curto Circuito, na SIC Radical, e tinha já uma legião de fiéis seguidores que acompanhavam o programa desde o seu início, no CNL, em 1999. Eu estava a dar os primeiros passos no mundo da internet e tive a ideia de reunir num website todas aquelas mensagens de texto engraçadas, do tempo em que a SMS era o pináculo da tecnologia móvel.

O CC emitia em directo durante 3 horas, todos os dias, e tinha na altura um espaço dedicado à divulgação de sites de internet. Foi assim que me cruzei com o Rui Unas pela primeira vez, na emissão em que fui convidado a ir apresentar o meu FunSMS.com na televisão.

Seis anos mais tarde, criei o site Gam3r.net e fui convidado a apresentar o Espaço PlayStation, uma rubrica sobre videojogos dentro do Curto Circuito. Durante 18 meses cumpri o ritual semanal de estar em directo nos estúdios da Valentim de Carvalho a mostrar videojogos, mas o Rui Unas já não fazia parte do lote de apresentadores.

No final do mês de Julho de 2009, o CC suspendeu as suas emissões diárias e foi de férias, pela primeira vez numa década. Essa paragem coincidiu com a minha decisão de não continuar a apresentar o Espaço PlayStation e voltar a dedicar-me apenas à internet. Até hoje arrependo-me de não ter esperado mais 2 meses para sair...

O Curto Circuito regressou em Setembro, mês em que celebrava 10 anos de existência, e durante 4 semanas Rui Unas voltou a assumir os comandos do programa. Foi um mês alucinante, em que se fez história e se bateram recordes de audiência. O Lord da televisão estava de volta ao CC, sete anos depois, e apresentava-se numa forma invejável.

Esse mês serviu para o público matar saudades do Rui Unas de outros tempos, que tinha andado desaparecido, mas soube a pouco. Desta vez não foi preciso esperar muito para o reencontro, que aconteceu através do YouTube, onde já conta com mais de 150.000 subscritores e milhões de visualizações.

Desde então, o Lord mantém-se ligado aos seus fãs através de diversas redes sociais, independentemente de estar ou não no activo em programas de televisão.

megaphoneRui Unas responde

Chegamos a 2015, o cadáver da televisão ainda está quente e Rui Unas responde às minhas questões.

Hoje em dia, como é que te defines profissionalmente?

Dificilmente. Talvez me defina como um entertainer. Tento exercitar o mais possível a vertente da comunicação mas o lado artístico, a representação e a comédia estão sempre presentes.

Por trás do entertainer, há um Rui Unas marketer digital que planeia e implementa estratégias de marketing online?

Não planeio. Apenas entendo que o meu nome e o meu trabalho são uma marca que devo promover. Não tenho estratégias, utilizo a intuição e o bom senso.

Recentemente anunciaste no Periscope que a televisão morreu. A verdade é que marcas presença assídua na televisão, cinema, rádio e teatro. Como vês o futuro das formas tradicionais de entretenimento?

Como consumidor vejo… muito pouco. As formas “tradicionais” de entretenimento têm de se adaptar e entender a internet não apenas como parceiro “amigo” mas também como “concorrente”, se estivermos a falar de um público mais jovem e informado.

Quais são as redes sociais em que tens perfil ativo neste momento? Consegues estimar quantas pessoas te seguem no total?

Não tenho contabilizado mas tenho conta ativa no Facebook, Instagram e Twitter.

No Facebook tens mais de 700 mil fãs. Sentiste a enorme redução no alcance das publicações das páginas que tem sido imposta às marcas nos últimos 2 anos?

Como não contabilizo isso, nem me dei conta da redução.

Fala-me do Twitter. Tens algum carinho especial por esta rede ou usas apenas para replicar o que postas nas outras?

O Twitter serve-me sobretudo para replicar o que posto noutras redes, no entanto, com o Periscope vou estar mais atento ao que ponho lá.

ruiunas2-e3bc

Os Podcasts estão actualmente a crescer bastante no Estados Unidos, és fã deste formato?

Sou fã, já fiz experiências em podcast (o Maluco Beleza) e estou a pensar voltar com uma versão 2.0.

Há cerca de um ano disseste que não ganhavas dinheiro com o teu trabalho na internet. Isso mudou entretanto?

Sim, directamente não muito, mas indirectamente. Devido ao following que tenho já fiz campanhas e tenho conteúdos patrocinados.

O que ganhaste mais com a net, que o dinheiro não pague?

O que não é contabilizado é o chamado "street credit”, neste caso o “net credit”. As pessoas vêem-me, sabem que estou ativo, que crio conteúdos...

Alguma vez compraste anúncios para aumentar o alcance dos teus conteúdos online?

Nunca.

Alguns colegas teus contratam outras pessoas para gerir as suas redes sociais, o que pensas dessa estratégia?

Legítima.

Ganhaste imensa popularidade entre 1999 e 2005 com os programas Curto Circuito e Cabaret da Coxa. Sentes que o YouTube te trouxe de volta a liberdade criativa e o público desses tempos?

Sim, sem dúvida.

O CC foi pioneiro a promover o “engagement" com espectadores através da internet, antes das redes sociais. Que recordações tens desses tempos?

Lentidão. A internet era muito lenta nessa altura.

Com O Show do Unas na SIC Radical, sentes que inventaste o show de YouTube antes de haver YouTube?

Muito possivelmente. Aquele registo de jump cuts era muito à frente.

Alguns dos teus vídeos mais populares são produções profissionais, feitas para o grande público. Quais foram aqueles que mais te surpreenderam pelo número de visualizações que atingiram?

Eu e o Morgado a cantar o Bo tem Mel. Jamais pensaria que seria o viral que foi.

Criaste um verdadeiro estúdio no teu sótão, que tipo de material e investimento recomendas a quem queira fazer um estúdio caseiro?

Tenho uma câmara digital e investi umas dezenas de euros em luz e um microfone de lapela que ligo ao smartphone. Com isto faz-se "a festa”.

Recomendas a alguém que não tenha um público previamente fidelizado através da televisão ou rádio, a lançar-se como entertainer nas redes sociais? É possível ser profissional do YouTube em Portugal?

Não sei se é possível ser-se profissional do YouTube em Portugal… acho que há gamers a safarem-se muito bem no YouTube. Eu acho é que se o conteúdo for bom, original e regular, mais cedo ou mais tarde a popularidade chega. Mas se não for “internacional” dificilmente se ganha dinheiro interessante.

Para terminar, volto ao Periscope. O que podemos esperar do Periscópio do Unas nos próximos tempos?

Não sei. Eu sou muito go with the flow. Para ja estou a divertir-me, perceber o que funciona, o que as pessoas esperam e gostam mais.

Muito obrigado, Rui!


Digital Marketer and consultant. Graduated with a degree in Computer Science, then became a webmaster, SEO expert, affiliate marketer, blogger, social networks specialist, growth hacker and content marketer.